The Bridegroom's Song of Songs
C. E. Lunden

 

 
O Cântico dos Cânticos do Noivo
C. E. Lunden
 
 

English

 

Português

 
Creation would not be complete without the woman, so while Adam slept, God took a rib out of his side and formed the woman. She became bone of his bone and flesh of his flesh. Her name, Eve, means the mother of all living. Christ in resurrection is the last Adam, the firstborn of the new creation, and the Church becomes His bride. We are members of His body, of His flesh and of His bones (Eph. 5). The Christ will not be complete until His bride is in her place at His side, the fullness of Him that fills all in all. She will take the place of the mother of all living, and is seen as the holy and heavenly Jerusalem, having the glory of God.

God has created man with a capacity for the highest joys that can be experienced by a creature. But, because of sin's entering the world, man now belongs to a lost race. Through His Son, God has provided a way by which fallen man can be restored to God and his lost capacity can be regained. The basis for this restoration is the death of God's Son, who shed His lifeblood to pay the awful debt of those who believe His Word. The gift of God is the present enjoyment of Christ in heaven. He is the living water.

To each person God now offers a full and free, eternal salvation. "If thou shalt confess with thy mouth the Lord Jesus, and shalt believe in thine heart that God hath raised Him from the dead, thou shalt be saved" (Rom. 10:9).

Having finished His work on earth, Jesus returns to the Father's house to present Himself and His work of redemption, so preparing a place there for His bride. It is the Church of God and is composed of all believers who have believed on and confessed Jesus as Lord. It was formed on the day of Pentecost when the Holy Spirit was given to dwell in each believer (Acts 2:4). For two thousand years, since Pentecost, God has been gathering together, in one, "the children of God that were scattered abroad" (John 11:52).

Although those who compose the Church have failed completely, God's Church remains in His eye as first seen on the day of Pentecost. The Holy Spirit, dwelling in the believer and in the Church, provides the power to maintain a testimony to the work of Christ, in spite of man's failure. God is preparing His people for an eternity of bliss in heaven with Christ. He wants each one to feel at home when they get there. As the decorum of heaven is unlike that of earth, each must experience many trials and lessons to prepare himself. The exercise of soul through which God passes His children produces the liberty to enjoy the Father's house.

The marriage union of Christ and His bride, the Church, is still in the future. Now is the time of the betrothal, and we, the bride, are the present object and delight of our Bridegroom. "I have espoused you to one husband, that I may present you as a chaste virgin to Christ" (2 Cor. 11:2).

The whole Godhead is engaged in the communications with the bride. God the Father communicates by the Holy Spirit between the Bridegroom and the bride. Such are the communications that fill this sweet and precious Song of Solomon. These communications require spiritual intelligence for their interpretations. It is really the Bridegroom's song of songs as He anticipates the marriage, the most joyous occasion that has ever been, or will be, in heaven or on earth.

Each believer walking in the truth has a measure of this intelligence, which increases through experience and communion. This fellowship with the Bridegroom provides constant joy for the bride in the midst of otherwise trying and sorrowful circumstances.

This song sets before us the mystical language used between the Bridegroom and the bride while the bride is still on earth and the Bridegroom is in heaven. Although no words are spoken literally, the Holy Spirit conveys both the thoughts of the Bridegroom to the bride and her answers to him. The individual believer needs this communion with and companionship of the Bridegroom as he awaits His coming for the whole bride.

While this song speaks of Christ and Israel, the earthly bride, it introduces, in type, the divine mystery of Christ and the Church-not the doctrine of it as found in Ephesians, but the actual experience and communion of it with the Bridegroom, before it is taken to heaven. It is a book of joy, just what we need to cheer our spirits as the shadows at sunset spread, while twilight and darkness close over the earthly scene.

What is your future? Will your end be a time of exceeding joy as you enter heaven, or a place of never-ending sorrow in the lake of fire? [C.E.Lunden]

A criação não seria completa sem a mulher, portanto enquanto Adão dormia, Deus tirou uma costela do seu lado e formou a mulher. Ela se tornou osso de seus ossos e carne de sua carne. Seu nome, Eva, significa mãe de todos os viventes. Cristo em ressurreição é o último Adão, o primogênito da nova criação, e a Igreja se torna Sua noiva. Somos membros do Seu corpo, de Sua carne e de Seus ossos (Efésios 5). O Cristo não será completo até que Sua noiva esteja no seu lugar ao Seu lado, a plenitude dEle que preenche tudo em todos. Ela tomará o lugar da mãe de todos os viventes, e é vista como a santa e celestial Jerusalém, possuindo a glória de Deus.

Deus criou o homem com capacidade para os mais elevado gozo que pode ser experimentado por uma criatura. Mas, por causa da entrada do pecado no mundo, o homem pertence agora a uma raça perdida. Por meio de Seu Filho, Deus providenciou um modo pelo qual o homem caído pode ser restaurado a Deus e sua capacidade perdida possa ser recuperada. A base para esta restauração está na morte do Filho de Deus, que derramou Seu sangue vital para pagar a terrível dívida daqueles que crêem na Sua Palavra. A dádiva de Deus é o real desfrutar de Cristo no céu. Ele é a água viva.

Deus oferece agora a cada pessoa uma salvação eterna, completa e gratuita. "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dentre os mortos, serás salvo" (Rm 10.9).

Havendo terminado sua obra na Terra, Jesus volta para a casa do Pai para Se apresentar, e à Sua obra de redenção, preparando assim um lugar para Sua noiva. Esta é a Igreja de Deus e é composta de todos os crentes que creram e confessaram a Jesus como Senhor. Ela foi formada no dia de Pentecostes quando o Espírito Santo foi dado para habitar em cada crente (Atos 2.4). Por dois mil anos, desde o Pentecostes, Deus tem estado a reunir, em um corpo, "os filhos de Deus que andavam dispersos" (Jo 11.52).

Embora aqueles que compõem a Igreja tenham falhado completamente, a Igreja de Deus continua, aos Seus olhos, como era no dia de Pentecostes. O Espírito Santo, habitando no crente e na Igreja, fornece o poder para manter um testemunho para a obra de Cristo, apesar do fracasso do homem.

Deus está preparando Seu povo para uma eternidade de êxtase no céu com Cristo. Ele quer que cada um de nós se sinta em casa quando lá chegar. Uma vez que a dignidade do céu é diferente da encontrada na Terra, cada um deve experimentar várias tribulações e passar por muitas lições a fim de se preparar. O exercício de alma através do qual Deus faz passar cada um dos Seus filhos produz a liberdade para que desfrutem da casa do Pai.

A união matrimonial de Cristo e Sua noiva, a Igreja, ainda é futura. Agora é o tempo do noivado, e nós, a noiva, somos o real objeto e deleite de nosso Noivo. "Vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo" (2 Co 11.2).

Toda a Divindade está engajada nas comunicações com a noiva. Deus Pai faz a comunicação, por meio do Espírito Santo, entre o Noivo e a Noiva. São estas comunicações que predominam este doce e precioso Cantares de Salomão. Estas comunicações exigem que se tenha entendimento espiritual para suas interpretações. É, na realidade, o cântico dos cânticos do Noivo ao prever o casamento, a ocasião mais feliz que jamais ocorreu ou ocorrerá, seja no céu ou na Terra.

Cada crente que ande em verdade possui uma certa medida deste entendimento, o qual aumenta por meio da experiência e da comunhão. Esta comunhão com o Noivo proporciona um gozo constante para a noiva em meio a circunstâncias que, de outro modo, seriam só tristezas e tribulações.

Este cântico coloca diante de nós a linguagem mística usada entre o Noivo e a noiva enquanto a noiva ainda está na Terra e o Noivo está no céu. Embora não pronuncie literalmente palavras, o Espírito Santo conduz tanto os pensamentos do Noivo para com a noiva, como a resposta dela a Ele. O crente individualmente necessita desta comunhão com o Noivo e da Sua companhia enquanto aguarda por Sua vinda para toda a noiva.

Embora este cântico fale de Cristo e Israel, a noiva terrena, ele apresenta, em tipo, o divino mistério de Cristo e a Igreja – não a doutrina como é encontrada em Efésios, mas a real experiência e comunhão dela com o Noivo, antes de ser levada para o céu. É um livro de gozo, exatamente o que necessitamos para alegrar nosso espírito à medida que as sombras do ocaso se espalham, enquanto o crepúsculo e as trevas se fecham sobre o cenário terreno.

Qual é o seu futuro? Será o seu fim um tempo de gozo extraordinário ao entrar no céu, ou um lugar de infindável tristeza no lago de fogo? [C.E.Lunden]


Published by Mario Persona contato@mariopersona.com.br



 

.