FREE eBOOK
English

 

e-BOOK GRÁTIS
Português

 
  Twelve Letters
to Young
Believers

by Edward Dennett
This is an eBook, which means it is not a printed or paper book. You can find its complete text in this and in the other pages shown in the contents. Feel free to copy, share or print it for your friends.
Twelve Letters to Young Believers - Doze Cartas para Novos Convertidos
contato@mariopersona.com.br
Doze Cartas
a um Novo
Convertido

por Edward Dennett
Este é um e-Book ou livro eletrônico, o que significa que não é um livro impresso em papel. Você encontra o texto completo nesta e nas outras páginas mostradas no índice. Fique à vontade para copiar, enviar a outros ou imprimir para seus amigos.
 
 
 
   
 

The Lord's Table

My Dear _______:

The question of the Lord's table is often a most perplexing one to the child of God. Not only are there many tables, set up on different grounds, around him on every hand, but also, when he begins to enquire into the subject, he finds almost as many theories as tables, concerning the significance of the supper of which he is invited to partake. His only remedy therefore, if he desires to avoid error and to be found in obedience to his Lord, is to turn away from the confused voices of theologians to the clear and distinct teaching of the word of God. It is to this teaching I desire to lead you in this letter.

As we might expect, there is nothing wanting on such a subject in the Scriptures. Thus I Cor. 10 explains the character of the table, and chap. 11 gives us the character of the supper, and the manner in which it should be eaten.

First we will consider the question of the table. "The cup of blessing which we bless, is it not the communion of the blood of Christ? The bread which we break, is it not the communion of the body of Christ? For we [being] many are one bread, [and] one body: for we are all partakers of that one bread" (I Cor. 10: 16,17). This scripture evidently teaches two things; first, that the loaf or "the bread" on the table is a symbol of the body of Christ ("for we being many are one bread, one body"-see also I Cor. 12: 13) ; and secondly, that we partake of it as members of that body ("for we are all partakers of that one bread"). As therefore we have communion of the blood of Christ through the wine, so also of the body of Christ through the bread, when we partake according to the thoughts of God. The table is thus the expression of the unity of the body of Christ; and consequently it is only the members of that body who can be property gathered around it. The "church" of England, strangely enough, agrees with this principle; for it admits no one to its table who has not been baptized; and it declares that every baptized one is made "a member of Christ," etc. The error, you will see, lies in attributing to baptism (as the means) what can only be wrought by the Spirit of God. I cite this case only to show you that the principle affirmed, so far from being peculiar, is widely accepted.

Now, it is by the application of this principle that you can decide which of all the tables around you is the Lord's. Test every denominational table by it, and what is the result? You will perceive at once that no sectarian system can have the Lord's table, because the ground on which it is spread, in every case, is narrower than that of the body of Christ. Admitting, or rather conceding for the moment, that all its followers may be members of the body of Christ, we should still have to say, Are there no other members of that body outside this denomination? If there are, then such a table, however sincerely, conscientiously, and piously spread, is not the table of the Lord. Should it be replied, "But we are quite willing to receive all other members of the body of Christ," I should have to answer, "This does not affect the question at all; for the ground taken determines the character of the table spread upon it; and the ground taken in each denomination is of such a character that many godly Christians could not have fellowship with it." The dissenter*, for example, is shut out, for conscience sake, from the table of the Anglican "church*"; and the Anglican* is similarly excluded from the tables of dissent*; and hence, neither in the one nor the other can the Lord's table be discovered, as the ground taken is other than that of the body of Christ.

Once more, test many of the unsectarian tables by this principle. You may perhaps tell me that you know of a place where all denominationalism is disavowed, and where it is taught that all Christians, and none but Christians, should be united. Very good; but I still should have a few questions to ask. I should inquire, Are the believers in such a place gathered simply unto the name of Christ? Is there liberty in the Spirit to minister by whom He wills? Is there the exercise of godly discipline? etc. For the Lord cannot sanction anything which is not in accordance with the Scriptures--anything which is unsuited to the character of His own name. If these questions could be answered in the affirmative, then you might perhaps conclude, that you had found the Lord's table; but if not, however fair and inviting it might seem at the first, you would have to reject it equally with those in the denominational systems around.

If we add a few characteristics of the Lord's table, it may serve to preserve you from mistake. 1. The table must be spread on ground outside of all denominational systems, otherwise, as we have shown, it could not comprehend all the members of the body of Christ. 2. The saints should be gathered on the first day of the week around the table. We thus read: "Upon the first day of the week, when the disciples came together to break bread" (Acts 20:7), an undeniable proof that it was their custom. See too in John 20, how our blessed Lord, on two occasions after His resurrection, chose the first day of the week for presenting Himself in the midst of His gathered disciples (vv. 19, 26), thus consecrating (if such a word may be used) this day for their assembling to show forth His death. 3. The purpose of the gathering should be to break bread. I point this out, as in many places there is a weekly table, but altogether in subordination to other things, such as preaching, etc. 4. Everything in connection with the table-worship, ministry, and discipline, must be in accordance with, and in subjection to, the word of God. If there is a single human regulation, on whatever ground adopted, the character of the table is destroyed. For it is the table of the Lord; and hence His authority alone can be recognized by His gathered saints.

Need I add more? But there is a danger or two which I would fain indicate. The first is indifference. It was only the other day that I asked a believer if she were at the Lord's table. Apprehending my meaning, she replied, "It is enough for me to know that Christ is my Saviour, and I do not desire to trouble myself with such questions as these." Can anything be more sad? As if it was not of all-importance to ascertain the mind of the Lord; for surely if He has indicated His will upon this question, it should be our joy to discover it, and to be found in obedience to it. Another replied in a different way. He said, "I am not called upon to judge my fellow-believers, and I desire to have fellowship with all." "He that hath an ear, let him hear what the Spirit saith unto the churches" (Rev. 2, 3). We are thus called upon to judge the ways of our fellow-believers-indeed of the "churches"; to measure everything by the Word; and to refuse all which it does not sanction, or which it condemns. Indifference is that spirit of Laodiceanism concerning which our Lord says, "So then because thou art lukewarm, and neither cold nor hot, I will spue thee out of my mouth" (Rev. 3: 16). The other danger is that of association. For example, how many a young believer is led unwittingly into that which is contrary to the Lord's mind from friendly, relative, or even spiritual associations! He is guided by the opinions of his friends, etc., instead of the word of God; or it may be that, having been converted or received blessing in a particular place, he naturally desires to continue where the blessing was received. But the question in every case should be, "Lord, what wilt thou have me to do?" (Acts 9: 6). Otherwise he might, in the right desire, according to the Lord's own word, to remember Him in His death, be found doing it in a way which is really displeasing to Him.

Warning you against these dangers, let me remind you that it is far better to wait than to partake of the Lord's Supper in disobedience. Before therefore you seek admission to the table, search the Scriptures, looking to the Lord for guidance; "and if thine eye is single, thy whole body shall be full of light."

 

A Mesa do Senhor

Prezado _______:

A questão da mesa do Senhor é, com frequência, um assunto que confunde o filho de Deus. Pois ele encontra ao redor de si não apenas muitas mesas, estabelecidas sobre diferentes bases, mas, quando começa a investigar este assunto, encontra tantas teorias quantas forem as mesas, no que diz respeito ao significado da ceia à qual ele é convidado a participar. Portanto, a única forma de ele evitar o erro e ser achado em obediência ao seu Senhor, é tapar os ouvidos à confusão de vozes dos teólogos e acatar o ensino claro e inequívoco da Palavra de Deus. E é a isto que desejo guiá-lo nesta carta.

Como era de se esperar, não há nada que esteja faltando com respeito a este tema nas Escrituras. Sendo assim, o capítulo 10 de 1 Coríntios explica o caráter da mesa e o capítulo 11 nos dá o caráter da ceia e a maneira como ela deve ser celebrada.

Vamos considerar primeiro a questão da mesa. "Porventura o cálice da bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo: porque todos participamos do mesmo pão" (1 Coríntios 10.16,17). Está claro que esta passagem ensina duas coisas: em primeiro lugar, que o pão sobre a mesa é o símbolo do corpo de Cristo ("Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo" - veja também 1 Coríntios 12.13); e em segundo lugar, que somos participantes dele como membros deste corpo ("porque todos participamos do mesmo pão"). Por conseguinte, assim como temos a comunhão do sangue de Cristo por meio do vinho, também temos a comunhão do corpo de Cristo por meio do pão, quando participamos da ceia em conformidade com os pensamentos de Deus. A mesa é assim a expressão da unidade do corpo de Cristo; e, consequentemente, somente os membros deste corpo podem estar apropriadamente reunidos em torno dela. Por estranho que possa parecer, a "igreja" da Inglaterra concorda com este princípio, pois não admite à sua mesa alguém que não tenha sido batizado, e ela declara que cada pessoa batizada é transformada em "um membro de Cristo". O erro, como pode ver, está em atribuir ao batismo (como meio) aquilo que só pode ser produzido pelo Espírito de Deus. Menciono este caso apenas para mostrar a você que o princípio aqui anunciado, longe de ser algo peculiar, é largamente aceito.

Ora, é pela aplicação deste princípio que você pode identificar qual, de todas mesas ao seu redor, é a mesa do Senhor. Aplique este teste em cada mesa denominacional e qual será o resultado? Você logo irá perceber que nenhum sistema sectário pode ter a mesa do Senhor, pois a base sobre a qual uma mesa denominacional é estabelecida, em todos os casos, não abrange todo o corpo de Cristo. Mesmo se, por um momento apenas, admitíssemos a hipótese de que todos os seguidores de uma determinada denominação fossem membros do corpo de Cristo, teríamos ainda que perguntar: "Existem outros membros do corpo fora dessa denominação?" Se existirem, então tal mesa não é a mesa do Senhor, por mais sincera, consciente e piedosa que possa ter sido a forma como foi estabelecida. Porém alguns poderiam responder: "Mas estamos abertos para receber a todos os outros membros do corpo de Cristo". Mesmo assim eu diria que isso não altera a situação, pois a base adotada determina o caráter da mesa que sobre ela é estabelecida; e a base adotada em qualquer denominação é de um caráter tal que muitos cristãos fiéis não poderiam estar em comunhão nessa mesa. Por exemplo, os dissidentes (nome dado pela igreja Anglicana aos outros Protestantes) são excluídos, por questão de consciência, da mesa da "igreja" Anglicana; e os Anglicanos são igualmente excluído das mesas dos dissidentes. Sendo assim, em nenhum desses lugares poderá ser identificada a mesa do Senhor, já que a base adotada para a comunhão é outra, e não aquela do corpo de Cristo.

Mais uma vez, experimente testar as mesas dos sistemas que se dizem não-sectários usando o mesmo princípio. Talvez você me diga que conhece um lugar onde toda a questão denominacional é repudiada e onde é ensinado que todos os cristãos devem estar unidos apenas como cristãos. Muito bom, mas ainda assim eu teria algumas perguntas a fazer. Eu perguntaria: Estão os crentes reunidos naquele lugar somente para o nome de Cristo? Existe liberdade para o Espírito ministrar por intermédio de quem Ele desejar? É exercida a disciplina para que haja santidade? Pois o Senhor não pode aprovar coisa alguma que esteja em desacordo com as Escrituras - qualquer coisa que não seja condizente com o caráter do Seu próprio nome. Se estas perguntas puderem ser respondidas afirmativamente, então você talvez possa concluir que encontrou a mesa do Senhor. Caso contrário, por mais atraente e correta que possa ter parecido a uma primeira análise, você deve rejeitá-la como estando na mesma situação daquelas estabelecidas pelos sistemas denominacionais.

Acredito que se acrescentarmos mais algumas características da mesa do Senhor, isto servirá para guardá-lo do erro: 1. A mesa deve estar estabelecida sobre uma base fora de todos os sistemas denominacionais, caso contrário, como já vimos, ela não estará abrangendo todos os membros do corpo de Cristo. 2. Os santos deverão estar reunidos em torno da mesa no primeiro dia da semana, pois assim lemos: "E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão" (Atos 20.7), o que é uma prova inquestionável de que era este o costume dos primeiros cristãos. Veja também em João 20 como nosso bendito Senhor, em duas ocasiões após Sua ressurreição, escolheu o primeiro dia da semana para Se apresentar no meio de Seus discípulos reunidos (versículos 19 e 26), consagrando, por assim dizer, esse dia para a assembléia proclamar Sua morte. 3. O propósito da reunião deve ser o partir do pão. Chamo sua atenção para este ponto, pois em muitos lugares existem mesas postas semanalmente, mas que encontram-se subordinadas a outras atividades tais como pregação, etc. 4. Tudo aquilo que estiver em conexão com a mesa - adoração, ministério e disciplina - deve estar de acordo com a Palavra de Deus e em completa sujeição a ela. Se houver qualquer indício de regras humanas, sejam quais forem os motivos pelos quais tenham sido adotadas, o caráter da mesa estará arruinado. Pois a mesa é do Senhor e, portanto, somente a Sua autoridade deve ser reconhecida pelos Seus santos reunidos.

Devo acrescentar algo mais? Sim, pois há um ou dois perigos que gostaria de assinalar. O primeiro é a indiferença. Há alguns dias perguntei a uma cristã se ela estava na mesa do Senhor. Entendendo a que me referia, ela respondeu: "Não desejo preocupar-me com tais assuntos, pois para mim é suficiente saber que Cristo é meu Salvador". Poderia algo ser mais triste? Como se não fosse tão importante conhecer a vontade do Senhor! Pois você pode ter certeza de que se Ele tem indicado a Sua vontade sobre este assunto, deveria ser um gozo para nós podermos averiguá-lo e sermos encontrados a andar em obediência também nisto. Outra pessoa me respondeu de um modo diferente: "Não cabe a mim julgar aqueles com os quais me reúno, e quero ter comunhão com todos eles". "Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas" (Apocalipse 2.7 - Leia os capítulos 2 e 3 de Apocalipse). Somos chamados a julgar a maneira de agir daqueles com os quais mantemos comunhão - e até mesmo das "igrejas" - medindo tudo pela Palavra e rejeitando aquilo que ela não nos ordene fazer, ou que seja condenado por ela. A indiferença é o espírito de Laodicéia e a resposta do Senhor a isso é: "Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca" (Apocalipse 3.16). Outro perigo é o da associação. Veja, por exemplo, quantos recém convertidos são atraídos àquilo que é contrário aos pensamentos do Senhor devido a vínculos de amizade, parentesco ou religião! Acabam sendo guiados pelas opiniões de seus amigos ao invés de o serem pela Palavra de Deus. Também é comum encontrarmos aqueles que, por terem se convertido ao Senhor ou recebido uma bênção em determinado lugar, desejam permanecer onde a bênção foi recebida. Mas, qualquer que seja o caso, a pergunta que sempre deveria ser feita é: "Senhor, que queres que faça?" (Atos 9.6). Caso contrário, mesmo que o crente tenha o mais sincero desejo de fazer o que o Senhor ordenou, lembrando-O em Sua morte, estará fazendo de uma maneira que realmente desagrada ao Senhor.

Ao chamar a sua atenção para estes perigos, quero lembrá-lo de que é muito melhor esperar do que participar da ceia do Senhor em desobediência. Portanto, antes de buscar o seu lugar à mesa do Senhor recorra às Escrituras, pedindo a direção do Senhor; e "se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz" (Mateus 6.22). Deixarei o assunto da ceia para a próxima carta.

 
 

<< Previous

Next >>

 

<< Anterior

Próximo >>

 
 
 
 

Contents

  • Peace with God
  • Our place before God
  • Our place on earth
  • The body of Christ
  • The Lord's table
  • The Lord's supper
  • The Lord Jesus Christ in the midst
  • The true place of worship
  • Worship
  • Ministry
  • The Word of God
  • Prayer
  •  

    Índice

  • Paz com Deus
  • Nosso Lugar Perante Deus
  • Nosso Lugar Neste Mundo
  • O Corpo de Cristo
  • A Mesa do Senhor
  • A Ceia do Senhor
  • O Senhor Jesus Cristo no Centro
  • O Verdadeiro Lugar de Adoração
  • Adoração
  • Ministério
  • A Palavra de Deus
  • Oração
  •  
     

    Questions? Write to contato@mariopersona.com.br

     

    Dúvidas? Leia o blog "O que respondi". ou escreva para contato@mariopersona.com.br