FREE eBOOK
English

 

e-BOOK GRÁTIS
Português

 
  Twelve Letters
to Young
Believers

by Edward Dennett
This is an eBook, which means it is not a printed or paper book. You can find its complete text in this and in the other pages shown in the contents. Feel free to copy, share or print it for your friends.
Twelve Letters to Young Believers - Doze Cartas para Novos Convertidos
contato@mariopersona.com.br
Doze Cartas
a um Novo
Convertido

por Edward Dennett
Este é um e-Book ou livro eletrônico, o que significa que não é um livro impresso em papel. Você encontra o texto completo nesta e nas outras páginas mostradas no índice. Fique à vontade para copiar, enviar a outros ou imprimir para seus amigos.
 
 
 
   
 

Peace with God

My Dear _______:

You complain that you have not "settled peace," and that thus you are making but little progress with the truth, or in the knowledge of the Lord. The complaint, I am sorry to know, is by no means uncommon; but it springs from an imperfect knowledge of the gospel, and from confounding two different things. I hope therefore, with the Lord's blessing, to be able to help you, if you will carefully consider what I am about to write.

Your case reminds me exactly of another that recently came before me. "Have you peace with God?" I inquired. The answer returned was, "Not always." In both cases the confusion is between the peace made, and the enjoyment of the peace. That is, when you are happy in the Lord you say, "Now I have peace"; but when from failure or trial you are depressed and gloomy, you think that your peace is gone.

To meet this state of mind, I shall ask you to consider attentively, what are the foundations of peace with God. It is an immense gain to the soul when it is clearly perceived that these lie not within, but without; for then it will also be seen that our experiences have nothing whatever to do with the question.

Turn then with me to Romans 5: 1. There we read, "Therefore being justified by faith, we have peace with God through our Lord Jesus Christ"; and if we examine the connection of this scripture, we shall at once learn the source of the peace of which it speaks. The connection is this. After the apostle has explained the way in which Abraham was justified before God, he proceeds: "Now it was not written for his sake alone, that it was imputed to him; but for us also, to whom it shall be imputed, if we believe on Him that raised up Jesus our Lord from the dead; who was delivered for our offences, and was raised again for our justification. Therefore being justified by faith, we have peace with God" (Rom. 4: 23-25; 5: 1).

It is very clear from this scripture that the sole foundation of peace with God lies in the work of Christ. In fact, the foundation having thus been laid, God declares that everyone who believes His testimony concerning it, believes that He in grace has come in, and made full provision for the sinner's salvation, believes thus in God, is justified, and being justified has--enters upon the possession of--the peace which has been made by the death ot Christ. But it will be observed that it is said that Christ was delivered for our offences, and was raised again for our justification (Rom. 4: 25). That is, the resurrection of Christ is the abiding proof of the completion of His work, the evidence that the sins for which He died, and under which He went down into death, are gone for ever.

The witness therefore that every claim that God had upon us has been fully met and satisfied. For if He was delivered for our offences, and He has left the grave, been raised out of death, the "offences" under which He went down into death must be gone, or He would still be a prisoner in the tomb. Hence the resurrection of Christ is the distinct and emphatic expression of God's satisfaction with the atonement which was made on the cross.

It is thus abundantly evident, as before said, that the alone foundation of peace with God lies in the death of Christ. This is repeated again and again in Scripture. Thus we are said to be "justified by His blood" (Rom. 5: 9); and again, "having made peace through the blood of His cross" (Col. 1: 20). It is therefore Christ who makes peace with God, and He has made it by His sacrificial death--the death that vindicated every claim God had upon the sinner, met every one of His righteous requirements from man, glorified Him in every attribute of His character; so that God now can beseech the sinner to be reconciled to Him (2 Cor. 5: 20).

Having explained this much, it follows that the one important question for the soul is, Do I believe God's testimony concerning His Son, and concerning the work He has accomplished? If there is any difficulty in answering this question, then no further progress can at present be made. A very simple test, however, will help to elicit the truth. On what do you rest for acceptance before God? Is it on yourself, your own doings, or your own merits or deservings? If so, you cannot be resting on the work of Christ. But if you own that by nature you are hopelessly undone and lost, and confess that you have no hope apart from Christ and what He has done, then you can humbly say, "By the grace of God I believe in the Lord Jesus Christ."

Supposing now that you can adopt this language, then I can tell you that you have "settled" peace with God, that nothing can ever deprive you of it--no change, no variety of experience; for it is your immutable, inalienable possession. The Scripture says, "Therefore being justified by faith" (and you say you do believe), "we have peace with God through our Lord Jesus Christ." Every believer--and the moment he believes--is justified, acquitted of all charge of guilt, and made the righteousness of God in Christ (2 Cor. 5: 21) ; and being justified, he has peace--not peace in himself, be it observed, but peace through our Lord Jesus Christ; that is, the peace which now belongs to him is the peace with God which Christ has made by His atoning sacrifice. And since it is the peace which He has made, being thus outside of ourselves, it can never be altered, and can never fluctuate; it is as stable and as durable as the throne of God; for, as we have seen, it is a peace which Christ has made through the cross; and what He has thus done can never be undone, and therefore it is an everlasting peace. And this abiding, settled, everlasting peace is the portion of every believer.

What you mean, then, when you complain that you have not settled peace, is simply that you do not enjoy settled peace, that your experience fluctuates. It may be, therefore, as well to inquire how the believer is to enjoy constant peace in his soul. The answer is very simple. It is by faith. If I believe God's testimony that peace is mine on faith in the Lord Jesus, I shall enter immediately on its enjoyment.

This may be simplified by an illustration. Suppose that news is brought to you that by the will of a deceased relative you have become the owner of a large estate. The effect on your mind will depend entirely upon the fact whether or not you believe what you have heard. If you doubt the truth of the news, there will be no answering response to it; but if, on the other hand, it is duly attested, and you implicitly receive it, you will at once say, "The property is mine." So is it also in regard to peace with God. If you believe God's testimony that peace has been made by the blood of Christ, no depression of feeling, no conviction of unworthiness, no circumstances whatever, will be able to disturb your security upon this point, because you will see that it depends entirely upon what another has done. What is thus needed for the enjoyment of settled peace is unwavering repose upon the word of God.

The cause of so much uncertainty on this subject springs mainly from looking within instead of looking without to Christ--looking within to discover something that will give confidence that there is a real work of grace begun in the soul, instead of looking without to perceive that the only foundation on which a soul can rest before God is the precious blood of Christ. The consequence is that, perceiving the corruption, the evil of the flesh, the soul begins to doubt whether after all it has not been deceived. Satan thus entangling the soul, plies it with doubts and fears, in the hope of producing distrust of God, if not utter despair. The effectual means of foiling his assaults in this direction is to appeal to the written word. In answer to all his evil suggestions we should reply, as our blessed Lord did when He was tempted, "It is written," then we should soon find that nothing could disturb our enjoyment of that peace with God which has been made by the precious blood of Christ, and which became ours as soon as we believed.

This foundation question settled, now freed from self-occupation, you will have leisure of mind and soul for meditation upon the truth as revealed in the Scriptures. "As a new-born babe, you will desire the sincere milk of the word, that you may grow thereby" (1 Peter 2: 2) ; and, moreover, if you study the word in the presence of the Lord, you will be guided by it into ever closer intimacy of communion with Himself, and as you trace out His infinite perfections and glories that are unfolded to us and apprehended by the Spirit of God, your affections will be drawn forth in ever increasing fervency, and your heart, now satisfied, will overflow in adoration at His feet, and thus your complaint will be changed into a song of praise.

 

Paz com Deus

Prezado _______:

Você se queixa de não ter uma "paz firme" e que por isso está fazendo pouco progresso na verdade ou no conhecimento do Senhor. Sua reclamação, sinto admitir, não é algo incomum, mas brota de um conhecimento imperfeito do evangelho e por você confundir duas coisas que são diferentes. Portanto espero, com a bênção do Senhor, ser capaz de ajudá-lo, isto se você estiver disposto a considerar cuidadosamente o que estou para escrever.

Seu caso me faz lembrar de outra pessoa com quem me deparei recentemente. "Você tem paz com Deus?", perguntei. Sua resposta foi: "Nem sempre...". Assim como no seu caso, confunde-se a paz estabelecida com o desfrutar dessa paz. Quero dizer, quando você está alegre no Senhor, diz: "Agora sim, eu tenho paz"; mas quando fica deprimido por causa de algum fracasso ou tribulação acha que sua paz foi-se embora.

Para prover uma solução para um sentimento assim, quero que considere atentamente quais são os fundamentos da paz com Deus. A alma tem muito a ganhar quando percebe com clareza que estes fundamentos não se encontram dentro, mas fora. Então poderá também enxergar que nossas experiências nada têm a ver com a questão.

Leia comigo Romanos 5.1. Ali vemos que, "sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo", e se examinarmos a ligação desta passagem com o contexto, aprenderemos, de uma vez por todas, qual é a origem da paz a que ela se refere. É este o contexto: Depois de haver explicado a maneira pela qual Abraão foi justificado diante de Deus, o apóstolo Paulo continua: "Ora não só por causa dele está escrito, que lhe fosse tomado em conta, mas também por nós, a quem será tomado em conta; os que cremos nAquele que dos mortos ressuscitou a Jesus nosso Senhor; O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação. Sendo pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 4.23-25; 5.1).

Esta passagem deixa bem claro que o único fundamento de paz com Deus está na obra de Cristo. Na realidade, após o fundamento haver sido assim colocado, Deus declara que todo aquele que crê em Seu testemunho a esse respeito, crê que Ele intercedeu em graça para providenciar tudo o que era necessário para a salvação do pecador. E declara ainda que aquele que assim crê em Deus está justificado e, por estar justificado, já tem a paz que foi feita pela morte de Cristo - já entra na posse dela. Mas, deve ser observado que está escrito que Cristo foi entregue por nossas ofensas, e que "ressuscitou para nossa justificação" (Romanos 4.25). Ou seja, a ressurreição de Cristo é a prova final que demonstrou como foi completa a Sua obra; a evidência de que os pecados pelos quais Ele morreu, e sob os quais desceu até à morte, foram-se para sempre.

A ressurreição de Cristo é o testemunho de que todas as exigências de Deus que recaíam sobre nós foram plenamente atendidas e satisfeitas. Pois se Ele foi entregue por nossas ofensas, e deixou o túmulo, tendo sido ressuscitado da morte, as "ofensas" sob as quais Ele padeceu a morte foram-se para sempre, caso contrário Ele continuaria na sepultura. Portanto, a ressurreição de Cristo é a expressão clara e enfática da satisfação de Deus com a expiação que foi feita na cruz.

Fica assim mais que evidente, como já foi dito, que o único fundamento de paz com Deus está na morte de Cristo. Isto é repetido muitas e muitas vezes nas Escrituras. Em Romanos 5.9 lemos que somos "justificados pelo Seu sangue"; e em Colossenses 1.20 diz que "havendo por Ele feito a paz pelo sangue da Sua cruz". Portanto, é Cristo (e não nós) Quem faz a paz com Deus, e Ele já a fez por meio de Sua morte como sacrifício - a morte que cumpriu todas as exigências que Deus fazia ao pecador, e que satisfez tudo aquilo que Ele com justiça poderia requerer do homem, glorificando ainda a Deus em cada atributo de Seu caráter. É por isso que Deus agora pode rogar ao pecador que se reconcilie com a Sua Pessoa. "Rogamo-vos pois da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus" (2 Coríntios 5.20).

Depois de haver explicado tudo isso, é necessário fazer à alma uma importante pergunta: Você crê no testemunho de Deus a respeito do Seu Filho e da obra que Ele consumou? Se houver qualquer dificuldade para responder a esta pergunta, então nenhum progresso poderá ser feito. Todavia um teste simples ajudará a elucidar a verdade. Mais uma pergunta, e tenho certeza de que você perceberá claramente a verdade: Em que você se baseia para pensar que Deus o aceita? Será que é em si próprio, em suas obras, seus méritos ou no que merece? Se assim for, então você não está descansando na obra de Cristo. Porém, se você reconhece que, por natureza, é um pecador perdido e arruinado, e confessa que não põe a sua esperança em coisa alguma além de Cristo e naquilo que Ele fez, então você pode humildemente dizer: "Pela graça de Deus eu creio no Senhor Jesus Cristo".

Supondo, então, que você possa falar dessa maneira, esteja certo de que a questão de sua paz com Deus está resolvida para sempre e nada poderá privá-lo dela - nenhuma mudança, nenhuma experiência diversa; pois ela é sua imutável e inalienável possessão. As Escrituras dizem que, "sendo pois justificados pela fé" (e você diz que crê), "temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5.1). Todo crente - no exato momento em que crê - é justificado, libertado de toda forma de culpa, e feito justiça de Deus em Cristo. "Àquele que não conheceu pecado, (Deus) O fez pecado por nós; para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5.21). E, sendo justificado, o crente tem paz - não paz em si mesmo, é importante ressaltar, mas paz por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Isto é, a paz que agora pertence ao crente é aquela paz com Deus que Cristo fez por meio de Seu sacrifício expiatório. E, uma vez que essa é a paz que Ele fez, o que ocorreu fora de nós, ela nunca poder variar ou ser alterada; ela é tão estável e duradoura quanto o trono de Deus; pois, como já vimos, é uma paz que Cristo fez pela Sua cruz; e o que Ele fez não poderá nunca ser desfeito, e é, portanto, uma paz eterna. E é esta paz, permanente, firme e eterna, que pertence a cada crente no Senhor Jesus.

Quando você se queixa de que não tem uma paz firme, na verdade deveria dizer que não está desfrutando de uma paz firme, e que seus sentimentos são instáveis. Por isso pode ser bom perguntar como é que o crente pode desfrutar de uma paz constante em sua alma. A resposta é muito simples: Pela fé. Se eu creio no testemunho de Deus de que a paz me pertence pela fé no Senhor Jesus, devo então entrar imediatamente no gozo dessa paz.

Isto pode ficar mais simples por meio de um exemplo. Suponha que alguém lhe traga a notícia de que um parente seu lhe deixou uma herança milionária. O efeito que isso produzirá em sua mente irá depender totalmente de você acreditar ou não naquilo que está ouvindo. Se você duvidar da veracidade daquela notícia, não haverá nenhuma reação a ela; mas se, por outro lado, ficar totalmente comprovado ser verdade, e você a receber de fato, então dirá imediatamente, "A herança é minha". Se você crê no testemunho de Deus de que foi feita paz pelo sangue de Cristo, nenhum sentimento de depressão, nenhum pensamento de ser indigno disso, nenhuma circunstância, qualquer que seja, poderá perturbar sua segurança a esse respeito, pois você verá que ela depende inteiramente daquilo que outro fez por você. Portanto, é necessário repousar com inabalável confiança na Palavra de Deus para poder desfrutar de uma paz firme.

A causa de tanta incerteza a respeito deste assunto advém principalmente de se olhar para dentro ao invés de olhar para fora, para Cristo - de olharmos para dentro em busca de algo que nos dê confiança de que esteja ocorrendo uma obra verdadeira de graça na alma, ao invés de olharmos para fora para percebermos que o único fundamento sobre o qual uma alma pode descansar diante de Deus é o precioso sangue de Cristo. A consequência é que, ao perceber a corrupção, este mal da carne, a alma começa a ter dúvidas e a cogitar se porventura não foi enganada. Satanás começa, dessa forma, a enredar o nosso coração e a semeá-lo com dúvidas e temores, na esperança de fazer com que duvidemos de Deus; isso quando não nos lança em total desespero. O modo eficaz de frustrarmos seus ataques neste sentido é apelando para a Palavra escrita de Deus. Em resposta a qualquer sugestão maligna devemos fazer como nosso bendito Senhor quando foi tentado: "Está escrito" (Mateus 4.4). Então, logo descobriremos que nada pode impedir que desfrutemos daquela paz com Deus que foi feita pelo precioso sangue de Cristo, e que passou a nos pertencer tão logo nós cremos.

Estando resolvida a questão do fundamento, e deixando de ocupar-se consigo mesmo, você encontrará descanso para sua mente e para sua alma - descanso suficiente para meditar sobre a verdade conforme é revelada nas Escrituras. "Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo" (1 Pedro 2.2). Quero dizer ainda que se você estudar a Palavra na presença do Senhor, será guiado por ela a uma intimidade de comunhão cada vez maior com Ele, e à medida que for descobrindo a infinita glória e perfeição de Cristo que nos são reveladas, e por nós assimiladas, por meio do Espírito de Deus, suas afeições serão atraídas em um sempre crescente fervor, e seu coração, agora satisfeito, irá transbordar em adoração aos pés dAquele que morreu por você. Deste modo o seu lamento se transformará em um hino de louvor.

 
 

<< Previous

Next >>

 

<< Anterior

Próximo >>

 
 
 
 

Contents

  • Peace with God
  • Our place before God
  • Our place on earth
  • The body of Christ
  • The Lord's table
  • The Lord's supper
  • The Lord Jesus Christ in the midst
  • The true place of worship
  • Worship
  • Ministry
  • The Word of God
  • Prayer
  •  

    Índice

  • Paz com Deus
  • Nosso Lugar Perante Deus
  • Nosso Lugar Neste Mundo
  • O Corpo de Cristo
  • A Mesa do Senhor
  • A Ceia do Senhor
  • O Senhor Jesus Cristo no Centro
  • O Verdadeiro Lugar de Adoração
  • Adoração
  • Ministério
  • A Palavra de Deus
  • Oração
  •  
     

    Questions? Write to contato@mariopersona.com.br

     

    Dúvidas? Leia o blog "O que respondi". ou escreva para contato@mariopersona.com.br